Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Psicovid19

Saúde mental em tempos de pandemia

Psicovid19

Saúde mental em tempos de pandemia

Noticiar suicídios: vamos lá pela enésima vez.

12.05.20

A conversa não é nova mas, pelos vistos, continua a ser necessária. Façamos, então, uma revisão da matéria dada.

Fui desenterrar dois pequenos posts publicados por mim e pelo Pedro no Jugular e no Obsessivamente há já muito, muito tempo. Leiam-nos, por favor, senhores jornalistas. Nesta altura, mais que nunca, apelamos à ÉTICA, à DEONTOLOGIA e, sobretudo, à DECÊNCIA. 

I. O suicídio é um comportamento multideterminado cujas inferências causais devem ser tratadas com imenso cuidado dadas as possíveis consequências nefastas e, até, trágicas.

Há, contudo, três certezas que podem e devem ser conhecidas e difundidas:

1. Na maioria dos casos há patologia psiquiátrica prévia.

2. Na escolha do método o “mais à mão” assume primordial importância.

3. Conhecido na literatura científica como “Efeito Werther”, designa a imitação de suicídios. Este efeito “mimético” existe e é um fator que importa prevenir.

Imitação é o processo pelo qual um suicida exerce um efeito modelador em suicídios subseqüentes. Clusters (agrupamentos) refere-se ao número de suicídios que ocorrem em estreita proximidade temporal e/ou geográfica, com ou sem qualquer ligação direta. Contágio é o processo pelo qual um determinado suicídio facilita a ocorrência de outros suicídios, a despeito do conhecimento direto ou indireto do suicídio prévio.” (Daqui, da OMS, feito em 2000).

 

II. (...) O suicídio é um problema de saúde pública, quase sempre relacionado com um intenso sofrimento e com situações de doença mental, que tem consequências sociais demasiado graves para que possa ser tratado com qualquer leveza. Desde a história do jovem Werther que se sabe que a divulgação descuidada das mortes por suicídio pode ocasionar um aumento do número de suicídios. Nunca é demais recordar os jornalistas, os directores dos órgãos de comunicação social e a própria ERC que as normas da OMS dão particular ênfase ao seguinte:

  • Trabalhar em conjunto com autoridades de saúde na apresentação dos factos.
  • Referir-se ao suicídio como suicídio “consumado”, não como suicídio “bem sucedido”.
  • Apresentar somente dados relevantes, em páginas internas de veículos impressos.
  • Destacar as alternativas ao suicídio.
  • Fornecer informações sobre números de telefones e endereços de grupos de apoio e serviços onde se possa obter ajuda
  • Mostrar indicadores de risco e sinais de alerta sobre comportamento suicida
  • Não publicar fotografias do falecido ou cartas suicidas.
  • Não informar detalhes específicos do método utilizado.
  • Não fornecer explicações simplistas.
  • Não glorificar o suicídio ou fazer sensacionalismo sobre o caso.
  • Não usar estereótipos religiosos ou culturais.
  • Não atribuir culpas.

Custa assim tanto perceber, caramba?

Ana Matos Pires

2 comentários

  • Sem imagem de perfil

    Anónimo 22.06.2020

    O grande problema é que as desgraças vendem, veja-se o CM e CMTV dão a noticias com um alarde impressionante e repetem até á exaustão sempre os mesmos pormenores durante a própria noticia, ás vezes dá a impressão de que querem ensinar comose faz. Por isso não leio o CM e CMTV passo á frente, já que quem nos devia "proteger" o não faz.
  • Comentar:

    Mais

    Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.